Quem é Thomas Matthew Crooks, homem que atirou em Trump, segundo o FBI

O FBI identificou o atirador envolvido no atentado contra o ex-presidente Donald Trump, durante comício ontem, conforme comunicado publicado neste domingo. Trata-se de Thomas Matthew Crooks, 20 anos, morador da Pensilvânia.

“O FBI identificou Thomas Matthew Crooks, 20 anos, de Bethel Park, Pensilvânia, como o sujeito envolvido na tentativa de assassinato do ex-presidente Donald Trump em 13 de julho, em Butler, Pensilvânia”, informou a agência na nota. Crooks estaria fora do perímetro da segurança do comício e foi morto pelo Serviço Secreto dos Estados Unidos, conforme as autoridades.

O FBI diz ainda que a investigação do caso envolvendo Trump continua. Segundo a imprensa americana, Crooks era filiado ao Partido Republicano. Trump foi baleado durante um comício na Pensilvânia. Agentes do Serviço Secreto retiraram o ex-presidente do palco após uma série de tiros. Trump foi visto com sangue na orelha e chegou a erguer punho depois de se levantar do chão.

Em seguida, ele entrou em um veículo e, depois de atendimento médico, retornou à sua casa em Nova Jersey. Ele está “bem” e é grato aos policiais, diz um comunicado publicado no site do Comitê Nacional Republicano (RNC). O FBI afirma que está tratando o incidente como uma “tentativa de assassinato” contra Trump.

Em uma postagem em sua rede Truth Social, Trump disse que uma bala perfurou a “parte superior” de sua orelha direita. “Eu soube imediatamente que algo estava errado, pois ouvi um zumbido, tiros e imediatamente senti a bala rasgando a pele”, escreveu Trump. “Houve muito sangramento, então eu percebi o que estava acontecendo.”O sangue estava claramente visível na orelha e no rosto de Trump quando os agentes o retiraram às pressas do comício.

A declaração do FBI acrescenta que o incidente é uma “investigação ativa e em andamento”. A polícia da Pensilvânia afirma que não há mais ameaças após o tiroteio. O suspeito foi morto a tiros no local por um atirador do Serviço Secreto dos EUA, disse o porta-voz da agência, Anthony Guglielmi.

Ele acrescentou que um espectador foi morto no tiroteio e outros dois ficaram gravemente feridos. Todas as três vítimas eram do sexo masculino, confirmaram as autoridades posteriormente.

Estadão Conteúdo

Donald Trump está a salvo após atentado em comício, informa Serviço Secreto dos EUA

O ex-presidente americano Donald Trump está seguro e medidas de proteção foram implementadas após um atentado em um comício de campanha neste sábado, informou o Serviço Secreto dos EUA. O comício acontecia em Butler, na Pensilvânia. Trump foi retirado às pressas do palco disparos.

Anthony Guglielmi, chefe de Comunicações do Serviço Secreto dos Estados Unidos, afirmou, pelo X, que o “Serviço Secreto implementou medidas de proteção e o ex-presidente está seguro”. Ele acrescentou que uma investigação está em curso. O ex-presidente ficou ferido e caiu no chão. Ainda não há informações do que aconteceu durante o comício, mas barulhos que se assemelhavam a tiros foram ouvidos e captados pela transmissão ao vivo do evento.

O republicano foi cercado pelos agentes e escoltado para um carro de sua comitiva logo após os disparos, segurando a orelha direita, que estava sangrando. O Serviço Secreto o tirou do palco às pressas após os disparos e o público foi retirado do local.

O republicano foi cercado pelos agentes e escoltado para um carro de sua comitiva logo após os disparos que aconteceram no evento de campanha. Ele saiu segurando a orelha direita, que parecia estar sangrando. Segundo porta-voz do ex-presidente, Steven Cheung, Trump “está sendo examinado e está bem”, mas sem fornecer mais detalhes.

Atirador foi morto
O homem suspeito de atirar em Donald Trump, em um comício eleitoral na Pensilvânia, nos Estados Unidos, neste sábado foi morto. A informação foi confirmada pelo promotor público local, Richard Goldringer ao jornal americano Washington Post.

Ainda segundo a autoridade, um espectador do comício também morreu e outra pessoa está em estado grave. “O presidente Trump agradece às autoridades policiais e aos socorristas por sua ação rápida durante esse ato hediondo”, disse Cheung na declaração.

Solidariedade

Por meio de nota oficial, o atual presidente Joe Biden desejou a recuperação de Donald Trump.”Fui informado sobre o tiroteio no comício de Donald Trump na Pensilvânia. Estou grato em saber que ele está seguro e bem. Estou rezando por ele e sua família e por todos aqueles que estiveram presentes no comício, enquanto aguardamos mais informações”, informou.

Biden também agradeceu ao serviço secreto pela proteção oferecida ao candidato. “Jill e eu estamos gratos ao Serviço Secreto por tê-lo colocado em segurança. Não há lugar para esse tipo de violência na América. Devemos nos unir como uma nação para condená-lo”.

“Não há absolutamente nenhum lugar para a violência política na nossa democracia. Embora ainda não saibamos exatamente o que aconteceu, todos deveríamos estar aliviados pelo fato de o antigo Presidente Trump não ter sido gravemente ferido e aproveitar este momento para nos comprometermos novamente com a civilidade e o respeito na nossa política. Michelle e eu desejamos a ele uma rápida recuperação”, disse Obama.

Agência O Glogo/Portal Folha

Kremlin adverte que mísseis dos EUA podem transformar capitais europeias em alvos russos

O Kremlin alertou neste sábado (13) que a decisão anunciada esta semana de instalar mísseis americanos de longo alcance na Alemanha poderá transformar as capitais europeias em alvos para a Rússia, repetindo um confronto como o da Guerra Fria.

“A Europa é o alvo dos nossos mísseis, o nosso país é o alvo dos mísseis americanos na Europa. Já vivemos isso. Temos a capacidade de parar estes mísseis, mas as vítimas potenciais são as capitais desses países europeus”, disse o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov. Durante a cúpula da Otan, Washington e Berlim anunciaram na quarta-feira que iniciarão a implantação pontual de mísseis americanos de longo alcance na Alemanha em 2026.

No comunicado, os Estados Unidos e a Alemanha mencionaram que este plano inclui a implantação de mísseis SM-6, mísseis Tomahawk e armas hipersônicas em desenvolvimento, o que aumentará o alcance dos projéteis atualmente implantados na Europa. “Manter linhas de comunicação” .

O Kremlin condenou na quinta-feira a decisão, que criticou como um retorno à “Guerra Fria”, uma alusão ao confronto entre a ex-URSS e os Estados Unidos, marcado, entre outras frentes, pela crise dos euromísseis no final dos anos 1960 e 1980, desencadeada pela implantação soviética e depois americana de mísseis com capacidade nuclear na Europa.

Esta crise foi encerrada com a assinatura do histórico tratado sobre Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) em 1989, assinado pelo então presidente dos EUA Ronald Reagan e pelo líder soviético Mikhail Gorbachev, que limitou o uso de mísseis de médio alcance, tanto convencionais como nucleares.

Este tratado foi enterrado após os Estados Unidos se retiraram dele em 2019, durante o governo do republicano Donald Trump, que acusou Moscou de não cumpri-lo. Depois, a Rússia garantiu que manteria uma moratória sobre a produção deste tipo de mísseis se os Estados Unidos não os posicionassem a uma distância que lhes permitisse chegar ao território russo.

O ministro da Defesa russo, Andrei Belousov, e o chefe do Pentágono, Lloyd Austin, falaram por telefone sobre a redução do risco de uma “possível escalada”, informou Moscou na sexta-feira. O Pentágono destacou “a importância de manter linhas de comunicação” com a Rússia, em meio ao conflito na Ucrânia, apoiada pelas potências ocidentais desde que Moscou lançou uma operação militar em fevereiro de 2022.

As relações entre a Rússia e a Otan enfraqueceram ainda mais desde o início da ofensiva russa em 2022 na Ucrânia, um país apoiado por membros da Aliança Atlântica. Os países ocidentais adotaram fortes sanções econômicas contra a Rússia, que fortaleceu os laços com a China, o grande rival dos Estados Unidos em escala global, e também com a Coreia do NorteAs autoridades europeias também acusam a Rússia de ataques cibernéticos à espionagem, para enfraquecer as empresas do continente.

AFP

Morre Rosalynn Carter, ex-primeira-dama dos EUA, aos 96 anos

Eleanor Rosalynn Smith Carter, ex-primeira-dama dos Estados Unidos, morreu neste domingo (19/11), aos 96 anos. Ela é mulher do ex-presidente estadunidense Jimmy Carter, que liderou o país entre 1977 e 1981. Os dois se casaram em 1946, uma união de 77 anos. Rosalynn foi diagnosticada com demência no começo de 2023 e passou a receber cuidados paliativos ainda no sábado (18/11).

A informação foi divulgada pela fundação criada por Rosalynn e o marido, a The Carter Center. “Nossa co-fundadora, primeira-dama Rosalynn Carter, morreu nessa tarde em Plains, na Georgia”, diz o comunicado da instituição. “Ela morreu em paz, com a família ao seu lado”, acrescenta a nota.

Rosalynn é classificada pela fundação como “uma defensora apaixonada da saúde mental, do cuidado e dos direitos das mulheres”. Jimmy Carter, de 99 anos, afirmou que a esposa “foi minha parceira em tudo que conquistei”.

“Ela me deu orientação sábia e incentivo quando precisei. Enquanto Rosalynn existiu, sempre soube que alguém me amava e me apoiava”, acrescentou o ex-presidente em nota divulgada pela instituição. A ex-primeira-dama deixa quatro filhos — Jack, Chip, Jeff e Amy —, 11 netos e 14 bisnetos. Chip classificou a mãe como “amorosa” e “extraordinária”.

““Sua vida de serviço e compaixão foi um exemplo para todos os americanos. Ela fará muita falta não apenas para nossa família, mas também para muitas pessoas que hoje têm melhores cuidados de saúde mental e acesso a recursos para cuidar.”, disse para a fundação The Carter Center.

Diário de Pernambuco

Baiana que criou projeto de acesso à água em zonas rurais ganha prêmio humanitário Muhammad Ali nos Estados Unidos

A empreendedora ambiental baiana Anna Luísa Beserra, de 25 anos, recebeu, na noite deste sábado (4), o prêmio humanitário Muhammad Ali, nos Estados Unidos. Nos últimos quatro anos, com o financiamento de grandes empresas, ela foi responsável por um projeto de acesso à água potável e banheiro a seco para mais de 20 mil pessoas em áreas rurais de 15 estados do país.

“É um prêmio muito importante, criado pelo próprio Muhammad Ali, que criou esse prêmio por conta do trabalho humanitário que ele já fazia pelo mundo. E agora o prêmio reconhece pessoas de todo o mundo que fazem esse trabalho incrível”, disse a baiana em entrevista ao g1 momentos antes de receber a premiação.A baiana foi a primeira brasileira e segunda latino-americana a receber a homenagem na 10ª Edição Anual dos Prêmios Humanitários Muhammad Ali. A cerimônia foi realizada nos Estados Unidos na cidade natal de Muhammad Ali, Louisville, em Kentucky.

Anna, que já recebeu outros prêmios e mentorias ao longo dos últimos quatro anos, disse que a homenagem pode ajudar a ampliar o projeto desenvolvido por sua startup de democratização do acesso à água e saneamento básico.

“Estou tendo essa honra de ser a primeira brasileira, baiana, mulher, a receber esse prêmio aqui nos Estados Unidos hoje para trazer mais uma vez notoriedade para o tema do trabalho que é acesso a água e saneamento. Na STW, como CEO, eu levo tecnologias com a nossa equipe de acesso a água e saneamento que garantem uma sustentabilidade por 20 anos. Que essas pessoas em situação de vulnerabilidade elas possam, de fato, ter acesso a esse bem que é o direito humano, a água”, disse.

“Estou super honrada de estar aqui. Daqui a pouco vai ser o meu discurso. Nervosa um pouquinho porque é um discurso inglês, mas definitivamente vai ficar marcado pela história”O Prêmio Muhammad Ali Humanitarian Award celebra a dedicação humanitária de Muhammad Ali e tem como objetivo reconhecer uma nova geração de agentes sociais. Desde 2013, o Ali Center presta homenagem a renomados “humanitários experientes” que são nomeados como laureados do Prêmio Humanitário Muhammad Ali.

Em 2019, ainda estudante, a baiana ganhou um prêmio internacional da Organização das Nações Unidas (ONU), graças ao projeto de tecnologia para filtrar água por meio da luz solar. A premiação ocorreu na 74ª Sessão da Assembleia Geral da ONU, em setembro daquele ano, em Nova York. Ela foi primeira brasileira a ganhar o prêmio Jovens Campeões da Terra, da organização internacional. No mesmo ano, o projeto ganhou um outro prêmio que reuniu 400 startups de tecnologia nos Estados Unidos. O prêmio foi R$ 25 mil.

Nascida em Salvador, Anna precisou de uma grande peregrinação para ter acesso a laboratórios para construir um protótipo de reservatório de desinfecção da água por meio de raios ultravioletas. Atualmente, são quase 20 clientes parceiros da tecnologia que tem capacidade, por cisterna, de desinfectar em média 10 litros de água depois de, em média, 4 horas de exposição à luz solar.

Aqualuz
Desde que fundou a SDW, a já desenvolveu seis tecnologias para saneamento. O primeiro projeto desenvolvido foi “Aqualuz”. Anna Luísa, que é formada em Biotecnologia pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), teve a ideia quando tinha 15 anos e ainda estava no ensino médio.O sistema do grupo usa radiação solar para tornar a água contaminada própria para consumo em regiões castigadas pela seca de forma sustentável.

Trata-se de uma caixa de inox que é coberta por um vidro e uma tubulação simples ligada à cisterna, um reservatório comumente usado para armazenar água da chuva ou de caminhão-pipa. A filtragem da água ocorre sem a necessidade de uso de compostos químicos. Como consequência, ajuda na redução dos índices de doenças.Cada reservatório de aço inox geralmente é conectado a uma cisterna e tem capacidade de desinfectar em média 10 litros de água depois de, em média, 4 horas de exposição à luz solar. O trabalho é semelhante a uma ação de geração fotovoltaica de energia.

 

A filtragem ocorre por etapas. São elas:
– Primeiro, a água é bombeada da cisterna até a caixa, por meio de um encanamento, passando por um filtro ecológico que é feito de sisal;
O filtro ecológico retém partículas sólidas;
– Depois, já com a água armazenada na caixa de inox, ocorre a desinfecção, em que o líquido é exposto à radiação solar para eliminação dos micro-organismos patogênicos. A alta temperatura na caixa ajuda a eliminar impurezas.
– Por fim, um dispositivo acoplado à caixa muda de cor e alerta quando a água pode ser retirada da caixa, já pronta para o consumo, por meio de uma torneira.

Polícia continua buscas por assassino que matou 16 pessoas em Lewiston, nos EUA

As polícias de Lewiston e do estado do Maine, nos Estados Unidos, continuam em busca do homem de 40 anos que matou 16 pessoas em ataques a um bar e a uma pista de boliche na noite desta quarta-feira (25).

O número de vítimas ainda pode mudar. A rede de TV norte-americana NBC disse, inicialmente, que 22 pessoas haviam morrido. Depois, passou a informar que eram de 16 a 20. As autoridades ainda não divulgaram um balanço oficial.

LEIA MAIS

Presidente de sinagoga é morta a facadas nos Estados Unidos

Samantha Woll, presidente do conselho da sinagoga de Detroit, nos Estados Unidos, foi encontrada morta na manhã deste sábado (21) com múltiplas facadas fora de sua casa. O motivo do assassinato ainda não é conhecido, mas desde o início do conflito entre Hamas e Israel o número de ameaças a israelenses e árabes vem aumentando.

 ocorrência para a qual os policiais foram chamados sinalizava que havia um pessoa caída no chão sem responder, informou o Detroit News. Quando chegaram ao local, porém, encontraram um “rastro de sangue” que levava à casa de Samantha, de acordo com um comunicado do Departamento de Polícia de Detroit. No próprio local, ela foi declarada morta.

A suspeita é que o crime tenha ocorrido dentro da casa da vítima. O FBI em Detroit foi acionado para ajudar a polícia local na investigação. Com 40 anos, Samantha era vista como uma pessoa gentil e que trabalhava em prol da comunidade, segundo relato da procuradora-geral de Michigan, Dana Nessel, nas redes sociais. Ela também já havia trabalhado com a deputada Elissa Slotkin.

Agência o Globo

Ataque a tiros por ‘ódio racial’ deixa três mortos nos EUA

Um homem branco matou a tiros no sábado (26) três pessoas negras, dois homens e uma mulher, em Jacksonville, no estado americano da Flórida, antes de cometer suicídio, informaram autoridades, citando o “ódio racial” como motivo do ataque.

“Seu alvo era um determinado grupo de pessoas, os negros, que ele disse que queria matar. E isso está muito claro”, disse o xerife TK Waters sobre o atirador. De acordo com Waters, um homem branco de 20 anos que ainda não foi identificado começou a atirar em uma loja de descontos, armado com um fuzil do tipo AR e uma pistola.

Manifestos descobertos pela família do atirador pouco antes do ataque mostram “a repugnante ideologia do ódio”, disse o oficial, acrescentando que suásticas desenhadas à mão foram encontradas em pelo menos uma das armas. O ataque ocorreu perto da Edward Waters, uma universidade historicamente associada à comunidade negra daquele estado do sul.

A Polícia Federal americana (FBI) irá investigar o ataque como um crime de ódio, ressaltou Sherri Onks, agente especial do FBI na localidade de Jacksonville. O governador da Flórida, Ron DeSantis, rejeitou o ataque “horrível” e chamou o atirador de “lixo”.

“Ele atacou as pessoas por causa da sua raça, isso é totalmente inaceitável”, disse DeSantis, que concorre à indicação presidencial republicana para as eleições de 2024.  “Este homem cometeu suicídio em vez de enfrentar a situação e aceitar a responsabilidade pelas suas ações, escolheu o caminho covarde”, acrescentou o político.

O ataque de sábado é o mais recente de uma onda de ataques a tiros nos Estados Unidos no fim de semana. Os tiroteios em massa tornaram-se mais comuns no país, onde em muitos estados os cidadãos têm fácil acesso a armas de fogo.

No início do sábado, a polícia relatou sete pessoas hospitalizadas devido a um tiroteio em massa durante o festival caribenho realizado na cidade de Boston (nordeste).  Na noite de sexta-feira, duas mulheres foram baleadas durante um jogo de beisebol em Chicago; enquanto um jovem de 16 anos foi morto e outros quatro ficaram feridos em uma disputa após um jogo de futebol americano em uma escola de ensino médio de Oklahoma.

Um autoproclamado supremacista branco matou 10 pessoas negras em um ataque a um supermercado em maio de 2022 no interior do estado de Nova York.

AFP

Programa seleciona estudantes para intercâmbio nos EUA

A Universidade UNG, em parceria com o Forsyth Institute (Cambridge, EUA), está com inscrições abertas para o Student Scholars Urdergraduate Summer Program, programa de estágio voltado para estudantes de Odontologia de todo o Brasil. O programa irá selecionar alunos que participarão de um intercâmbio no Instituto de Pesquisas.

Os inscritos passarão por um processo de avaliação de currículo e entrevista. Caso seja selecionado, o estudante terá a oportunidade de realizar estágio em Pesquisa Odontológica, por um período de 3 semanas, em Cambridge, EUA. O processo seletivo será feito pelas professoras que coordenam o programa na UNG, Dra. Magda Feres e Dra. Nidia Castro.

Durante o intercâmbio, que acontece entre os dias 11 e 29 de julho, os alunos irão participar de projetos de pesquisa com orientadores de renome da Forsyth. Além de acompanhar palestras em diversas áreas, realizar visitas a faculdades de Odontologia (Harvard, Tufts, Boston University) e empresas de biotecnologia da região de Boston, e desenvolver atividades sociais.

LEIA MAIS

EUA vão aceitar CoronaVac para entrada de visitantes estrangeiros

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

Os Estados Unidos vão aceitar a entrada de visitantes vacinados com vacinas contra a covid-19 autorizadas pelos órgãos reguladores dos EUA e também aquelas autorizadas para uso emergencial pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A informação foi publicada pela agência de notícias Reuters na noite de ontem (8).

Segundo a agência, Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) disse que seis vacinas aprovadas pela FDA, a agência reguladora norte-americana e listadas para uso emergencial pela OMS atendem aos critérios para que o visitante possa entrar nos EUA.

LEIA MAIS

Júri condena ex-policial à prisão por assassinato de George Floyd nos EUA

A Justiça do estado de Minnesota, nos Estados Unidos, condenou o ex-policial Derek Chauvin pela morte de George Floyd. A condenação aconteceu nesta terça-feira (20), na cidade de Minneapolis, em decisão unânime do júri.

Chauvin, que alegou inocência das acusações, foi condenado à prisão, mas o estado de Minnesota possui cláusulas que limitam a pena a 15 anos para réus sem condenações anteriores, como é o caso de Chauvin.

O ex-agente era acusado de homicídio culposo (quando não há intenção de matar) de segundo grau, e de assassinato em segundo e em terceiro grau.

Floyd, 46 anos, morreu em 25 de maio de 2020 em uma abordagem que contou com a participação Derek Chauvin. O caso desencadeou uma série de protestos antirracistas nos Estados Unidos.

Bolsonaro reconhece vitória de Joe Biden e fala em possível aliança com EUA

(Foto: Alan Santos/PR)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), reconheceu, no fim da tarde desta terça-feira (15), a vitória do democrata Joe Biden nas eleições dos Estados Unidos. O chefe de estado brasileiro foi um dos últimos líderes mundiais a felicitar o presidente eleito americano, só à frente do ditador Kim Jong-un, da Coreia do Norte.

“Estarei pronto a trabalhar com o novo governo e dar continuidade à construção de uma aliança Brasil-EUA, na defesa da soberania, da democracia e da liberdade em todo o mundo, assim como na integração econômico-comercial em benefício dos nossos povos”, disse Bolsonaro, afirmando desejar que os Estados Unidos sigam sendo “a terra dos livres e o lar dos corajosos”.

LEIA MAIS

Cliente deixa gorjeta de R$ 15,6 mil a funcionários de restaurante fechado por coronavírus

(Foto: Reprodução/Facebook)

Após pedir apenas uma cerveja em um restaurante em Cleveland (EUA), um homem deixou uma gorjeta no valor de US$ 3.000 (R$ 15,6 mil). A história foi relatada no Facebook por Brendan Ring, dono do estabelecimento, e ganhou reportagens em site e jornais ao redor do mundo.

Em seu relato, publicado no dia 22 de novembro, Ring conta que a gorjeta foi dada pouco antes do fechamento voluntário do restaurante, medida adotada para conter a pandemia do novo coronavírus. Segundo ele, o cliente pediu que o valor fosse repartido com os quatro funcionários do lugar. Ele afirma também que só se deu conta do tamanho da doação quando o homem estava deixando o local.

“Eu corri atrás dele, mas ele me disse que não havia erro nenhum e que nos veríamos na reabertura”, contou Ring. O empresário disse que não iria revelar o nome do cliente por achar que ele não gostaria desse tipo de divulgação. Ele informou também que a conta do homem havia dado apenas US$ 7,02 (R$ 36). “Somos humildemente gratos por esse gesto incrivelmente gentil e grandioso”, concluiu.

Paulo Câmara discute parcerias na educação com embaixador e cônsul geral dos EUA no Recife

(Foto: Heudes Regis/SEI)

O governador Paulo Câmara recebeu, nesta terça-feira (22), no Palácio do Campo das Princesas, o embaixador dos Estados Unidos, Todd Chapman que, em sua primeira visita oficial ao Estado, apresentou a nova cônsul geral no Recife, Jessica Simon.

O governador discutiu com os diplomatas as possibilidades de cooperação no cenário pós-pandemia do novo coronavírus e mostrou as potencialidades de Pernambuco nas áreas dos polos automotivo, de confecções, informática e fruticultura irrigada.

O embaixador também sinalizou ao governador para a ampliação de parcerias na área de Educação, com o Ganhe o Mundo, maior programa de intercâmbio para estudantes da educação pública na América Latina, implementado pelo Governo de Pernambuco.

LEIA MAIS

Donald Trump diz que se EUA seguissem exemplo do Brasil, mais de 2,5 milhões de americanos teriam morrido

(Foto: Internet)

Aliado do presidente Jair Bolsonaro e uma das referências políticas do chefe de Estado brasileiro, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira (5), em Whashington, que o país poderia ter tido mais de 2,5 milhões de mortos por coronavírus se seguisse o exemplo brasileiro de combate à disseminação da doença.

“Se você olha para o Brasil, eles estão num momento bem difícil. E, falando nisso, continuam falando da Suécia. Voltou a assombrar a Suécia. A Suécia também está passando por dificuldades terríveis. Se tivéssemos agido assim, teríamos perdido um milhão, 1,5 milhão, talvez 2,5 milhões ou até mais”, afirmou.

LEIA MAIS
1234