Morre, no Rio de Janeiro, o jornalista Sérgio Cabral, pai do ex-governador

O escritor e jornalista Sérgio Cabral morreu neste domingo (14) aos 87 anos. Devido à sua saúde fragilizada, ele estava internado em um hospital do Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pelo seu filho, o ex-governador fluminense Sérgio Cabral Filho, que compartilhou um vídeo nas redes sociais.

“Ele resistiu por 3 meses. Peço que orem por ele, pela alma dele. Por tudo o que ele fez no Rio de Janeiro e no Brasil. Pela música e pelo futebol, pela família linda que ele construiu”, disse. O velório acontecerá nesta segunda-feira, na sede náutica do Vasco, na Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul do Rio. A cerimônia será de 8h às 12h, segundo a família. Carioca nascido no bairro de Cascadura, na zona norte da cidade, Sérgio Cabral tinha duas paixões notórias: o Vasco e a música popular brasileira. Ambos se tornaram temas de pesquisas que resultaram em diversos livros.

Entre eles, as biografias de Tom Jobim, Pixinguinha, Nara Leão e Eliseth Cardoso. Em 1998, foi o responsável pelo Livro Oficial do Centenário do Club de Regatas Vasco da Gama.

Sua carreira no jornalismo começou aos 20 anos de idade no Diário da Noite. Trabalhou como repórter, redator, cronista, editor e comentarista de esportes e de música. Passou por diferentes veículos impressos e por emissoras de televisão. Integrou também a equipe de O Pasquim, jornal alinhado à resistência à ditadura militar, chegando a ser preso por isso.

Na política, exerceu três mandatos como vereador do Rio, entre 1983 e 1993. Na década de 1980, ocupou também o cargo de Secretário Municipal de Esportes e Lazer. Foi ainda conselheiro do Tribunal de Contas do Município entre 1993 e 2007, quando se aposentou.

Sérgio Cabral possui ainda trabalhos como compositor. Entre as letras que fizeram mais sucesso está Os Meninos da Mangueira, parceria com Rildo Hora.

Agência Brasil

Cineasta Toni Venturi, de A Comédia Divina, morre aos 68 anos

O cineasta Toni Venturi morreu, nesse sábado (18), aos 68 anos. De acordo com as informações divulgadas pela família do realizador, ele faleceu após passar mal enquanto nadava em uma praia no litoral de São Paulo.

A informação da morte foi confirmada pela esposa do cineasta, a atriz Débora Duboc. A família estava em São Sebastião, no litoral de São Paulo, para passar o fim de semana.

“Informo aos colegas e amigos que o cineasta Toni Venturi faleceu na tarde de hoje, 18, aos 68 anos, na localidade de Barra do Una, no município de São Sebastião. Toni, sentiu-se mal enquanto nadava na praia local”, diz o trecho do comunicado.

Diário de Pernambuco

Resgates contra o tempo para tentar conter a tragédia no Sul

O desafio é titânico e contra o tempo: autoridades e moradores tentam evitar uma tragédia ainda maior do que a já vivida no Rio Grande do Sul, onde quase 60 pessoas morreram e 70 mil foram evacuadas devido às enchentes. Das ruas alagadas ou do ar, as imagens são devastadoras: casas cujos telhados mal aparecem, pessoas que perderam tudo, e o centro da moderna Porto Alegre, de 1,4 milhão de habitantes, completamente alagado.

Segundo a Prefeitura, o nível do rio Guaíba localizado na cidade marcava 5,09 metros, acima do recorde de 4,76 metros registrado durante as enchentes históricas de 1941. As águas avançam sobre a metrópole e centenas de outras cidades, e os números crescem ao mesmo tempo. Além dos quase 70 mil despejados, há mais de um milhão de casas sem água e a destruição é incalculável, segundo a Defesa Civil.

Rosana Custódio, enfermeira de 37 anos, é uma das milhares de vítimas do desastre. A enchente a obrigou a deixar sua casa em Porto Alegre e desde então ela vive um pesadelo. Ela conseguiu ir para a casa da sogra. Mas “na quinta-feira, por volta da meia-noite, as águas começaram a subir muito rápido. (…) No desespero saímos em busca de um lugar mais seguro. Não conseguíamos andar. Meu esposo colocou minhas duas pequenas em um caiaque e remamos com uma ‘tacuara’. Eu e meu filho nadamos até o fim da rua e começamos a caminhar com água até o pescoço”, disse à AFP por mensagem de WhatsApp.

Eles se refugiaram na casa do cunhado, em Esteio, localidade ao norte de Porto Alegre, mas na sexta-feira a história se repetiu. “Fomos resgatados por uma lancha de amigos”. Desde então, conta, está com a família em um abrigo. “Perdemos tudo o que tínhamos”.

“Dia decisivo”
O governador Eduardo Leite, que neste domingo receberá o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela segunda vez desde que a tragédia foi declarada, descreveu a situação como “dramática” e “absolutamente sem precedentes”. Domingo “será um dia decisivo para os resgates”, afirmou o ministro da Comunicação da Presidência, Paulo Pimenta.

As cenas de pessoas em telhados esperando por socorro, de pequenas embarcações atravessando rios por ruas e avenidas, ou de caminhonetes 4×4 ajudando em travessias impossíveis se repetem continuamente. O estado precisará de uma espécie de “Plano Marshall” para se reconstruir, disse o governador. Mas isso acontecerá depois que as águas baixarem e quando as chuvas pararem.

Agora, a preocupação é com o abastecimento de alimentos e a continuidade da cadeia produtiva neste estado agrícola, o quinto PIB do Brasil e um dos mais prósperos do país. O prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, pediu à população que racionasse a água, depois que quatro das seis estações de tratamento da cidade tiveram que ser fechadas.

Cidade sitiada
A situação excepcional deixa Porto Alegre praticamente sitiada. A Polícia Rodoviária disse à AFP que a chegada pelo sul está bloqueada a cerca de 15 km, enquanto o acesso à cidade ainda é possível pelo norte. A principal estação rodoviária da cidade está inundada e fechada. O aeroporto internacional de Porto Alegre suspendeu suas operações na sexta-feira por tempo indeterminado.

Jornalistas da AFP puderam observar o avanço das águas em diversas regiões da cidade na noite de sábado. A eletricidade também está desaparecendo em algumas áreas. O número de pessoas desaparecidas está aumentando. Já são 74 pessoas. Mas o isolamento de alguns municípios suscita receios de números ainda mais trágicos. O desastre afeta diretamente mais de meio milhão de pessoas, segundo a Defesa Civil, embora seja impossível estimar por enquanto o impacto econômico dos danos causados pela água.

Por que Porto Alegre?
É o “coquetel desastroso” da mudança climática e do fenômeno meteorológico El Niño que favoreceu as chuvas devastadoras que atingiram o sul do Brasil e outros eventos extremos, disse à AFP o climatologista Francisco Eliseu Aquino. Porto Alegre, cidade fundada por imigrantes portugueses em 1772, desenvolveu-se sob a influência do seu porto, fundamental para o crescimento do Brasil, informa a Corporação Andina de Fomento (CAF) em seu site.

Mas está em uma confluência de cursos de água no meio de uma gigantesca bacia hidrográfica, que promoveu o seu desenvolvimento ao permitir o escoamento da produção agrícola do estado. Em tempos de mudança climática, a bênção transformou-se em desgraça. Na noite de sábado as chuvas começaram a diminuir, mas persistirão pelas próximas 24 a 36 horas.

A província do Rio Grande do Sul pediu cautela diante da possibilidade de deslizamentos de terra, que já deixaram inúmeras rotas cortadas em todo o estado e também na vizinha Santa Catarina.

AFP

Número de internações e óbitos por influenza avança

O boletim Infogripe da Fiocruz do dia 2 revelou um aumento significativo no número de casos e óbitos em decorrência de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em todo o Brasil.

De acordo com a instituição, o cenário atual é uma consequência do aumento na circulação de influenza (o vírus da gripe) e, especialmente, do vírus sincicial respiratório (VSR), ambos capazes de causar complicações graves nos pulmões.

A intensificação da circulação do VSR tem impulsionado um aumento expressivo na incidência e mortalidade de SRAG em crianças de até 2 anos de idade, superando os números associados à Covid-19 nessa faixa etária.

Apesar disso, o coronavírus continua sendo uma das principais causas de infecção em crianças pequenas, juntamente com o rinovírus. Ainda segundo o boletim, embora a Covid-19 pareça apresentar uma queda ou estabilidade, ela também é a principal causa de mortalidade por SRAG entre os idosos.

Estadão

Jornalista Rosália Lima morre no Recife, aos 68 anos

A jornalista Rosália Lima, de 68 anos, morreu, neste sábado (4), no Recife. Ela estava internada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Imbiribeira, na Zona Sul. A causa da morte foi infecção generalizada. Segundo informações de amigos e parentes, o velório e o enterro serão realizados no Cemitério de Santo Amaro, na área central da cidade, na manhã de domingo (5).

Rosália Lima estava enfrentando problemas de saúde. Havia sido diagnosticada com câncer. Ela estava aguardando uma definição dos médicos para saber se seria submetida a uma cirurgia no dia 10 deste mês.  Na noite de sexta (3), passou mal e foi levada  para a UPA., onde aconteceu o óbito. A jornalista atuou no Diario de Pernambuco, Jornal do Commercio e nas assessorias de comunicação do Governo de Pernambuco, na gestão de Jarbas Vasconcelos (MDB), e do próprio partido.

Diário de Pernambuco

Morre Marcos Rivas, jogador mexicano que atuou em todas as 11 posições do futebol

O ex-jogador internacional mexicano Marcos Rivas, famoso por ter jogado em todas as onze posições do futebol profissional, morreu neste sábado, aos 76 anos, devido a complicações após uma intervenção cirúrgica.

“Nosso querido Marcos Rivas Barrales, o ‘Mugrosito’, deixou uma marca indelével em nosso clube… hoje deixa este plano para se tornar uma lenda”, expressou o clube mexicano Atlante, neste sábado em um vídeo publicado em suas redes sociais.

O ex-jogador faleceu na sexta-feira à noite após passar por uma cirurgia para uma hérnia inguinal, no estado de Durango (norte do México), onde residia.

Nascido na Cidade do México em 25 de novembro de 1947, Marcos Rivas estreou na primeira divisão mexicana em 1968 como lateral direito pelo Atlante, equipe pela qual foi ídolo e jogou até 1974. Ele também jogou pelo América, Universidad de Guadalajara e León. Foi da seleção mexicana entre 1970 e 1973, e convocado para a Copa do Mundo do México em 1970 como meio-campista.

Com o tempo, devido à sua versatilidade e várias circunstâncias como lesões, o ‘Mugrosito’ Rivas foi escalado por seus treinadores em todas as posições do campo, usando diferentes números em sua carreira.

Em 25 de março de 1973, o Atlante visitou o Pumas. Durante o jogo, o goleiro titular dos ‘Potros’ foi expulso. Rivas se encarregou de cobrir o gol – a posição que faltava – e em sua primeira intervenção, defendeu um pênalti naquele domingo no estádio Olímpico Universitário da Cidade do México.

Agência O Globo

Brasil atinge 1,6 mil mortes confirmadas por dengue

O Brasil alcançou a marca dos 1.601 óbitos por dengue confirmados em 2024. Além disso, outras duas mil mortes seguem em investigação e podem ter sido causadas pela doença, totalizando 3,6 mil mortes confirmadas ou suspeitas até o momento. Os dados são do painel de casos do Ministério da Saúde atualizado nessa sexta-feira (19).

O número de mortes confirmadas é 35% superior a todo o ano de 2023, quando 1.179 brasileiros perderam a vida para doença. A diferença entre os casos ainda em investigação de 2023 e 2024 supera os 1.707%. Do ano passado, apenas 114 ocorrências seguem em investigação.

Em relação aos casos prováveis da doença, os números chegam a 3,535 milhões em 2024 contra 1,649 milhão em 2023, aumento de 114%. Já o coeficiente de incidência de casos por 100 mil habitantes cresceu de 773 em 2023 para 1.741 casos prováveis para cada 100 mil brasileiros em 2024.

As mulheres são as mais afetadas pela doença, representando 55% das ocorrências prováveis, contra 44% de pessoas do sexo masculino. A faixa etária mais afetada é dos 20 aos 29 anos, com 358 mil mulheres dessa faixa etária atingidas contra 299 mil homens.

Apesar do aumento expressivo no número de casos e óbitos, a letalidade da doença em relação ao total de casos teve leve redução. De uma letalidade de 4,83% em casos graves em 2023 para 4,35% em 2024. Além disso, a letalidade dos casos prováveis passou de 0,07% para 0,05% no mesmo período.

Estados
Proporcionalmente, as unidades da federação com a situação mais grave da doença, índice calculado por casos prováveis a cada 100 mil habitantes (coeficiente de incidência), são: Distrito Federal (7,9 mil x 100 mil); Minas Gerais (5,3 mil x 100 mil); Paraná (3,0 mil x 100 mil); Espírito Santo (2,9 mil x 100 mil); Goiás (2,5 mil x 100 mil); Santa Catarina (2,0 mil x 100 mil); São Paulo (1,8 mil x 100 mil); e Rio de Janeiro (1,3 mil x 100 mil).

Na parte embaixo da tabela, com os melhores índices de incidência, estão os estados de Roraima (36 casos x 100 mil); Ceará (96 casos x 100 mil); Maranhão (128 casos x 100 mil); Sergipe (137 casos x 100 mil) e Alagoas (152 casos x 100 mil).

Agência Brasil

Morre Ziraldo, aos 91 anos, ‘pai’ do “Menino Maluquinho”

Morreu neste sábado (6), aos 91 anos, o jornalista, cartunista e escritor Ziraldo Alves Pinto, mais conhecido como Ziraldo.Criador de personagens famosos, como Menino Maluquinho e Flicts, ele é autor de alguns dos principais clássicos da literatura infanto-juvenil brasileira, vendendo milhões de cópias.

O jornalista, cartunista e escritor Ziraldo Alves Pinto, mais conhecido como Ziraldo, deve ser velado no domingo (7) na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Centro do Rio de Janeiro. Atendendo a um pedido da família do artista, o velório está sendo organizado pela instituição, que prevê abertura para o público para se despedir de Ziraldo a partir das 10h.

Criador de personagens famosos, como Menino Maluquinho e Flicts, Ziraldo é autor de alguns dos principais clássicos da literatura infanto-juvenil brasileira, vendendo milhões de cópias. A causa da morte, confirmada pelo Instituto Ziraldo, não foi informada.

Ziraldo Alves Pinto nasceu em Caratinga, Minas Gerais, em 24 de outubro de 1932. Começou a desenhar ainda criança, fazendo caricaturas de personalidades como Getúlio Vargas e Adolf Hitler. Com apenas 6 anos, publicou um desenho no jornal “Folha de Minas”. Logo desenvolveu uma fascinação por histórias em quadrinhos como “Flash Gordon” e “O Fantasma”, que iriam inspirá-lo para criar as HQs “Teleco e Tim”, “Capitão Tex” e, em 1960, a “Turma do Pererê”, primeira revista em quadrinhos feita por um só autor — e totalmente em cores — produzida no Brasil. Ziraldo se dizia um filho dos comics americanos. “Eles e o cinema, que têm em comum a narrativa, são as duas grandes artes americanas”, disse, em 2002, ao GLOBO.

No Rio de Janeiro, o artista trabalhou inicialmente para agências de publicidade. Retornou a Minas para servir o Exército e, ao voltar ao Rio, foi trabalhar nas revistas “O Cruzeiro” e “A Cigarra”. O golpe militar de 1964 pôs fim à “Turma do Pererê”, com seus animais falantes, índios e fazendeiros (ela foi reeditada, sem tanto sucesso,

na década de 1970). Outros personagens de quadrinhos, porém, sairiam da prancheta de Ziraldo para o sucesso: Jeremias, o Bom; a Supermãe e Mineirinho, o Comequieto (este, para a “Revista do Homem”).

Agência O Globo

Políticos pernambucanos se posicionam sobre prisão contra suspeitos de matar Marielle

Políticos pernambucos celebraram, nas redes sociais, neste domingo (24), as prisões dos envolvidos na morte da vereadora Marielle Franco (PSol) e de seu motorista, Anderson Gomes, em março de 2018. Na operação, realizada pela Polícia Federal, foram presos Domingos Brazão atual conselheiro do Tribunal de Contas do Rio, Chiquinho Brazão, deputado federal do Rio, e Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil do Rio.

A Ministra da Ciência e Tecnologia do Governo Federal, Luciana Santos (PCdoB) celebrou a data como um marco para o início das respostas sobre caso e as motivações que resultaram nos crimes.

A deputada estadual Dani Portela (PSOL), do mesmo partido de Marielle, comemora a notícia. “A informação que esperamos há seis anos finalmente chegou”, disse.

Em seu perfil no Instagram, Dani Portela também publicou um vídeo se posicionando sobre o caso. “Nós queremos dizer que Marielle não acabou. Marielle, foi, é e será uma referência na luta por igualdade, por justiça. O pedido de justiça por Marielle não se encerra com o fim de um caso, de uma investigação”, ressaltou.

O deputado estadual João Paulo (PT) comentou que a operação da Polícia Federal é um passo importante para a luta pela justiça no país. Ele espera que essa seja a primeira de outras ações que irão desvendar toda a verdade sobre o caso.

A Deputada Estadual de Pernambuco (PT), Rosa Amorim, também celebrou as prisões e afirmou que finalmente após “2.202 dias de questões”, hoje, algumas respostas foram reveladas.

O vereador Ivan Moraes (PSOL) também celebrou a ação da PF e alegou que, agora, “seis anos de agonia e luta parecem ter chegado ao fim”.

Diário de Pernambuco

Sobe para 17 o número de mortes por causa das chuvas no Espírito Santo

A Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil (Cepdec) do Espírito Santo confirmou 17 mortes em decorrência por causa das chuvas – 15 em Mimoso do Sul e 2 em Apiacá. A estimativa, segundo o último boletim extraordinário da Defesa Civil do estado, divulgado às 11h deste domingo (24), é que 5.481 pessoas estejam desalojadas, além dos 255 desabrigados em decorrência das chuvas.

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, decretou, no sábado (23), situação de emergência em alguns municípios por conta das fortes chuvas que atingiram a região sul do estado desde a noite de sexta-feira (22).

Segundo o Decreto nº 501-S, publicado em edição extra do Diário Oficial do Estado, a situação de emergência foi decretada nos municípios de Alegre, Alfredo Chaves, Apiacá, Atílio Vivacqua, Bom Jesus do Norte, Guaçuí, Jerônimo Monteiro, Mimoso do Sul, Muniz Freire, Muqui, Rio Novo do Sul, São José do Calçado e Vargem Alta.

As equipes da Defesa Civil continuam trabalhando, e o nível da água está baixando, o que permite a chegada de ajuda a lugares antes inacessíveis. Em várias cidades,houve deslizamentos, alagamentos e enxurradas.

Vídeos feitos por moradores das regiões atingidas e obtidos pela TVE Espírito Santo mostram ruas cobertas de água, correntezas arrastando até 20 carros de passeio, gado isolado em alagamentos, pessoas sendo resgatadas em botes e moradores no telhado de casas esperando socorro. Nas imagens, é possível ver a água se aproximando de telhados, ou seja, atingindo cerca de três metros de altura.

Estadão

Chef de cozinha Rivandro França é encontrado morto dentro de casa

O chef de cozinha Rivandro Ricardo de França, ex-apresentador do programa Sabor da Gente, da TV Jornal, foi encontrado morto na manhã deste sábado (23), dentro de sua casa, no bairro de Maranguape I, no município do Paulista, na região metropolitana do Recife.

De acordo com informações iniciais da polícia, o corpo do chef não tinha marcas de violência e a casa não apresentava sinais de arrombamento. O corpo será levado para o Instituto de Medicina Legal de Pernambuco (IML), em Santo Amaro, na região central da capital pernambucana, onde será periciado para identificar a causa da morte.

O último contato de Rivandro França – faleceu aos 45 anos – com a família foi na noite de ontem (22). Ele deixa esposa e dois filhos: uma menina e um menino.

Apresentador do SJCC
Além de chef de cozinha, Rivandro França também se mostrou um ótimo comunicador. Em 2020, ele estreou na apresentação do Sabor da Gente, da TV Jornal, ficando à frente do programa até o final de 2023. Desde então, Rivandro passou a apresentar o quadro Feira da Super Manhã, aos sábados, na Rádio Jornal.

Paixão pela cozinha
Apesar de um chef de cozinha conceituado, Rivandro França demorou a concretizar o seu sonho. Antes de iniciar na gastronomia, ele trabalhou por quase 20 anos como técnico de enfermagem.

Filho de paraibanos – Ricardo Luiz de França e Luzinete Maria de França -, Rivandro nasceu na capital pernambucana, mas passou a sua infância em Olinda. Ele nunca escondeu que a sua grande inspiração era o pai, que e também era cozinheiro. E, ao lado dele, aprendeu a pegar gosto pela cozinha e, futuramente, a ter a culinária regional como referência em seus pratos.

JC Online

Defesa Civil socorre vítimas de chuvas que atingem o Sudeste

Integrantes do Grupo de Apoio a Desastres (Gade) da Defesa Civil Nacional seguiram para o Rio de Janeiro para ajudar nos trabalhos de resgate e assistência das vítimas dos temporais que atingiram o estado na sexta-feira (22) e podem se repetir ao longo deste fim de semana. No estado, as chuvas causaram a morte de pelo menos sete pessoas até a manhã deste sábado (23).

A ida do efetivo foi decidida pelo Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional (MIDR), por orientação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Um dos principais pontos de atuação das equipes é na região serrana do estado do Rio.

Ainda na noite de sexta-feira, o ministro da Integração e Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, publicou na rede social X (antigo Twitter), que havia conversado com o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, e com o prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo, para “reafirmar nosso compromisso de somar esforços no socorro ao povo petropolitano, que sente os impactos das chuvas no estado”.

Petrópolis fica na região serrana, a cerca de 1h40 de carro do Rio. Quatro mortes foram confirmadas no município entre sexta-feira e sábado, por causa de um desmoronamento. Cinco pessoas foram resgatadas com vida. A cidade, conhecida como Imperial, por ter sido uma das residências da Família Real, tem histórico de desastres causados pelas chuvas. Há cerca de dois anos, temporais deixaram mais de 230 mortos.

“Como determina o presidente Lula, estamos prontos, mais uma vez, para trabalhar junto com estados e municípios a fim de atender as necessidades do povo brasileiro”, disse o ministro. Os técnicos da Defesa Civil Nacional auxiliarão autoridades das cidades afetadas a fazer os planos de trabalhos necessários para obter recursos do governo federal, seja para assistência humanitária, restabelecimento ou reconstrução.

“Além disso, nós já estamos em contato com representantes dos Ministérios da Saúde, da Defesa, do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, dentre outros, para nos unirmos e atender o mais rápido possível a população atingida”, declarou o diretor do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), Armin Braun.

Espírito Santo
O ministro Waldez Góes também entrou em contato com o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, para disponibilizar a atuação da Defesa Civil Nacional. O sul do estado foi fortemente atingido pelo mau tempo. Até as 11h deste sábado, mais de 1,2 mil pessoas estavam desalojadas.

“A @defesacivilbr está pronta para apoiar o estado, atingido por chuvas intensas na madrugada. Da mesma forma, estamos de prontidão em relação aos demais estados e municípios do Sudeste, que se encontram em estado de alerta desde quinta-feira, e em qualquer região do país atingida por desastres naturais”, publicou no X (antigo twitter).

Orientações
A Defesa Civil Nacional sugere que a população cadastre os telefones celulares, enviando mensagens de texto para o número 40199 com o Código de Endereçamento Postal (CEP) da região onde mora, para passar a receber alertas por SMS.

Além disso, orienta que, “em áreas de risco, como encostas, por exemplo, é preciso ficar muito atento a qualquer sinal de movimentação do terreno, como trincas e rachaduras em postes e paredes. Se constatado qualquer um desses sinais em áreas de risco de deslizamento ou inundação, é importante contactar a Defesa Civil pelo telefone 199 ou o Corpo de Bombeiros no 193”.

Agência Brasil

Prefeitura de Juazeiro emite nota de pesar pelo falecimento do músico Luisão Pereira

A prefeitura de Juazeiro, lamenta o falecimento do músico juazeirense Luís Henrique da Silva Pereira, mais conhecido como Luisão Pereira, ressaltando a imensa contribuição do artista para o cenário cultural de todo o país. O artista faleceu  neste domingo (10), em Salvador, em decorrência de um câncer, aos 55 anos.

Músico, compositor, multiestrumentista e produtor musical, Luisão integrou bandas como a Cravo Negro, Penélope Charmosa e Dois em Um, além de produzir discos e shows de grande artistas do cenário nacional.

“Manifestamos nossos sentimentos aos familiares e amigos do músico Luisão Pereira. Que Deus console a dor de todos neste momento difícil”, pontuou a prefeita Suzana Ramos.

Ascom/PMJ

Morre aos 31 anos Dai Cruz, influenciadora digital que tinha doença genética rara

A influenciadora digital baiana Dai Cruz, de 31 anos, morreu após uma batalha contra a epidermólise bolhosa, doença de pele genética. A informação foi confirmada no sábado (24), pela equipe dela, através das redes sociais. Dai morava em Jequié, no sudoeste do estado.

Dai Cruz possuía mais de 2 milhões de seguidores nas redes sociais e compartilhava com os seguidores a rotina de cuidado com a doença. Nas postagens ela falava sobre como as outras pessoas olhavam para as lesões, além das dificuldades diárias, como secar a pele com uma toalha grossa.

“Chegou um dos dias mais difíceis e tristes no nosso jardim, um daqueles dias em que passa um filme na nossa cabeça. O dia em que a nossa voz embarga na garganta, e lágrimas sem fim escorrem por nossa face. Mesmo em lágrimas temos certeza que o céu tá em festa, e deixa eu contar para vocês como foi a chegada dela no céu”, disse o comunicado.

Por causa da lesões causadas pela epidermólise bolhosa, a influenciadora digital nunca frequentou a escola, apesar da doença não ser contagiosa. A enfermidade é hereditária, rara e não tem cura. Dai também enfrentava um câncer desde 2022. “Foram 31 anos de sofrimento que a EB [epidermólise bolhosa] impôs a ela, mas com todo o sofrimento ela conseguiu deixar bravamente um legado lindo, ensinou a muitos o verdadeiro sentido da vida, do amor, da força e principalmente da fé”, escreveu a equipe de Dai Cruz.
Apesar de não ter frequentado aulas em escolas, Dai aprendeu a ler e escrever na casa onde morava em Jequié.

“A gente vai levando um dia de cada vez, quando vejo que estou cansada ou irritada com as lesões, paro e respira. Depois, quando me sinto bem, vou voltando aos poucos, porque motivar é muito bom”, disse a influenciadora em entrevista à TV Bahia em 2022.

 

G1 Bahia

Covid ainda mata 10 vezes mais do que dengue em 2024 no Brasil

Apesar da melhora do cenário epidemiológico, com uma média semanal de mortes 100 vezes menor da registrada nos piores momentos da pandemia, a Covid-19 ainda causa 10,8 vezes mais mortes no Brasil do que a dengue, mostram dados do Ministério da Saúde. Segundo o monitoramento de 2024 até a sétima semana epidemiológica, que terminou no dia 17 de fevereiro, foram 122 óbitos confirmados para a dengue no período, e outros 456 em investigação. Já para a Covid-19, foram 1.325 vítimas fatais.

“As duas são doenças importantes, mas os impactos na saúde e os mecanismos de controle são muito diferentes. A Covid tem um impacto em perdas de vidas muito maior, a letalidade é superior. Mas a dengue enche mais os prontos-socorros porque ela é mais sintomática. São doenças bastante distintas”, diz André Ribas Freitas, professor de Epidemiologia da Faculdade de Medicina São Leopoldo Mandic, de Campinas e doutor em Epidemiologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Ainda assim, o cenário do coronavírus não é o mesmo de alarme como em outros momentos da pandemia – a Organização Mundial da Saúde (OMS), por exemplo, deu fim à Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII) pela doença em maio do ano passado.

Com a combinação da maior campanha de vacinação já realizada no planeta, que até agora chegou a mais de 13,5 bilhões de doses administradas e a 70,6% da população global com ao menos a primeira aplicação, segundo dados do Our World in Data, da Universidade de Oxford, a mortalidade caiu drasticamente.

No Brasil, hoje são em média 192 mortes por Covid-19 a cada 7 dias, com base nos dados das últimas quatro semanas epidemiológicas. No mesmo período do ano passado, esse número era 448, 57% mais alto. Já na pior época da pandemia, em abril de 2021, quando a imunização avançava a passos lentos no país, o Brasil chegou a registrar uma média de 19.731 óbitos a cada semana – mais de 100 vezes acima da taxa atual.

Para evitar uma onda de casos graves, porém, é importante a manutenção de medidas, como estar em dia com o esquema vacinal. Segundo o painel de imunização do Ministério da Saúde, apenas 19,7% da população elegível recebeu a dose bivalente da vacina, atualizada para a variante Ômicron e disponível nos postos de saúde.

“Temos que nos preocupar com a Covid e agir atualizando a situação vacinal, especialmente grupos de risco para Covid grave, idosos, crianças, gestantes, imunossuprimidos, que também devem considerar o uso de máscara em ambientes fechados e com muita gente. Em caso de sintomas respiratórios, é importante testar para Covid e usar máscara por, no mínimo, 7 dias, independentemente da causa do quadro respiratório”, diz a professora de Infectologista da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Raquel Stucchi.

Dengue bate recordes
Embora a situação da Covid-19 tenha melhorado em relação aos últimos anos, a da dengue bate recordes que preocupam autoridades de saúde. Isso porque já são mais de 740 mil casos neste ano, o que representa, em menos de dois meses, quase metade de todos os diagnósticos registrados em 2023 (1.658.816). Além disso, ultrapassa por completo anos como os de 2021, 2018 e 2017.

Segundo projeções da pasta da Saúde, o país deve bater 4,2 milhões de infecções até o fim do ano, o que ultrapassará em 149% o pior da série histórica até agora, 2015. O cenário já levou ao menos seis estados (Minas Gerais; Acre; Goiás; Rio de Janeiro; Espírito Santo e Santa Catarina), além do Distrito Federal e de três capitais (Belo Horizonte; Rio de Janeiro e Florianópolis), a decretarem estado de emergência em saúde.

Especialistas atribuem a maior disseminação da arbovirose a fatores como a introdução de novas versões do vírus no país, o impacto das mudanças climáticas e a falta de medidas preventivas durante o ano. “Esse aumento de casos é multifatorial e uma grande preocupação. Temos, por exemplo, o El Niño, fenômeno que provoca chuvas volumosas e calor intenso, condições perfeitas para proliferação do Aedes. Além do descarte inadequado do lixo pela população, a falta de rede de esgoto e coleta insuficiente do lixo”, diz Stucchi.

Ribas Freitas destaca ainda impacto o da pandemia na epidemiologia das arboviroses e a maior disseminação também de chikungunya, que assim como a dengue é transmitida pelo Aedes aegypti: “Houve um período de silêncio muito grande da dengue por conta do isolamento social, porque diminuiu a circulação viral. Então tem uma quantidade muito grande de pessoas suscetíveis que não se infectaram nos últimos anos. Temos também alternância de sorotipos, que geram novos casos. E algumas regiões estão tendo uma transmissão significativa também de chikungunya, que tem uma manifestação clínica parecida. Isso agrava bastante a situação epidemiológica”.

Ele lembra que, no ano passado, já houve uma epidemia de dengue no Brasil “2023 foi, inclusive, o segundo pior ano da série histórica mantida pelo Ministério da Saúde”, e que está acontecendo de novo. Diz ainda que a vacinação, que tem como público alvo apenas jovens de 10 a 14 anos de municípios selecionados, devido à baixa quantidade de doses, não terá impacto neste ano.

“O controle da doença é o controle do vetor, o Aedes. A vacinação neste ano não vai impactar substancialmente na epidemia, até porque são duas doses separadas por três meses entre elas, quando chegar a segunda a época de epidemia já vai ter acabado. Para proteção individual, o uso de repelente é importante. Se você tiver oportunidade de ligar o ar condicionado em ambientes fechados, ajuda, porque a baixa temperatura diminui a atividade do mosquito caso algum tenha entrado no local. As pessoas também precisam cuidar dos quintais, dos criadouros dos mosquitos, mas essa é uma ação que precisa ser feita durante o ano, no momento de alta já não é tão efetiva”, orienta.

Agência O Globo

1234