TJBA determina suspensão da greve dos servidores de Juazeiro

Na noite de quarta-feira (8), o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA) acatou o pedido liminar da Prefeitura de Juazeiro, ordenando a suspensão imediata da greve dos servidores da saúde e do Serviço de Água e Saneamento Ambiental (SAAE), iniciada em 2 de maio.

A decisão, emitida pela juíza Maria do Rosário Passos da Silva Calixto, considerou a greve ilegal e abusiva, afetando setores essenciais à população. A magistrada ressaltou o compromisso da prefeitura de Juazeiro com o diálogo e a negociação coletiva com os servidores públicos.

LEIA MAIS

Servidores da Ebserh que atuam no Hospital Universitário em Petrolina entram em greve

Servidores da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que trabalharam no Hospital Universitário da Univasf (HU-Univasf/Ebserh) em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, entraram em greve nesta quinta-feira (2), seguindo a deliberação nacional da categoria.

Entre as reivindicações, estão a melhora nas condições de trabalho e recomposição salarial.

LEIA MAIS

Professores da UFPE iniciam greve da categoria nesta segunda-feira

Na manhã desta segunda-feira (22), professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) deram início ao movimento grevista a partir das 7h, com café da manhã e panfletagem para os docentes, na entrada do Campus Recife, na Cidade Universitária.

A presidenta da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Pernambuco (Adufepe), professora Teresa Lopes, convidou os colegas a aderirem e fortalecerem o movimento. “Estamos convocando todos os professores a participarem da greve, é muito importante a participação de todos”, afirmou a professora.

Nesta manhã, seguindo a agenda de atividades de mobilização programadas para esta segunda-feira (22), os docentes levaram uma Carta Aberta para a Reitoria da UFPE – documento elaborado pelo Comando Local de Greve (CLG), que reafirma a pauta de reivindicações.

LEIA MAIS

Lula propõe reajuste salarial em 2025 a servidores em meio a greves no país

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos do governo Lula (PT) propôs na sexta-feira (19) um plano de reajuste salarial para professores de universidades e institutos federais. A movimentação da gestão ocorre a partir de ações grevistas em diversas instituições de ensino superior vinculadas com o Governo Federal. Professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) aprovaram na última quarta-feira (17) a entrada em estado de greve a partir da próxima segunda-feira (22).

A proposta do governo Lula prevê um reajuste salarial de 9% para professores de universidades e institutos federais e técnicos da educação. A mudança, porém, só ocorreria em 2025. Mesmo com as greves ao redor do Brasil, não existe previsão para os servidores federais conseguirem um reajuste ainda em 2024.

O secretário de Relações de Trabalho, José Lopez Feijóo, afirmou em um vídeo conjunto com o Ministério da Educação que a gestão atendeu nove das 12 reivindicações apresentadas pela classe da educação. Feijóo também pontuou que o governo diminuiu o tempo de ascensão da carreira de 22 anos e meio para 18 anos. Apesar dos gestos, muitos membros da categoria ainda não estão satisfeitos com as propostas do governo.

O presidente do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), Gustavo Seferian, declarou para o portal Metrópoles que vê como uma “movimentação tímida” do governo, mas que representa o poder das ações de greve. O plano é que o Andes apresente a proposta do governo em assembleias da categoria entre 22 e 25 de abril para ser avaliado.

JC Online

SINTEPE aprova greve dos professores estaduais de Pernambuco

Foto: Arquivo

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), realizou hoje (5) uma Assembleia Geral com os profissionais, na capital Recife. A categoria busca pressionar o Governo do Estado e definiu que haverá uma greve, com data a ser definida na próxima assembleia, agendada para o dia 25 de julho.

LEIA MAIS

Piso Salarial da Enfermagem: Categoria vai paralisar em defesa do piso

Uma publicação realizada na página oficial do Fórum Nacional da Enfermagem no Instagram confirmou que vai ter uma greve da categoria em defesa do pagamento do piso salarial da enfermagem ainda neste mês de junho.

A expectativa, segundo informações divulgadas anteriormente também no Instagram do Fórum, na sexta-feira (16), era que a definição sobre a data e o horário da greve fossem definidos somente na segunda-feira (19), após uma assembleia entre os profissionais.

Entretanto, o calendário das paralisações dos profissionais da enfermagem aliados ao Fórum já foi divulgado neste domingo (18). Antes da greve geral do piso salarial da enfermagem, de acordo com a publicação no perfil do Fórum, haverá paralisação dos profissionais da categoria nos estados e no Distrito Federal. Esta paralisação vai ocorrer na próxima quarta-feira, 28/06.

Conforme o calendário do Fórum, a greve geral do piso salarial da enfermagem vai correr na quinta-feira, 29/06, a partir das 10h.

Os profissionais reivindicam a efetiva liberação da Lei 14.434/2022 que define os valores do piso salarial da enfermagem. Na sexta-feira, 09/06, o Supremo Tribunal Federal (STF) retomou o julgamento sobre o piso salarial da enfermagem, mas foi novamente suspenso.

O ministro Dias Toffoli pediu vista do processo, prolongando ainda mais a espera por uma decisão.

O julgamento do piso salarial da enfermagem já havia sido suspenso em maio por Gilmar Mendes, mas foi retomado na última semana, após Luís Roberto Barroso defender que a categoria deve receber pelo menos o salário mínimo nacional. Agora, Toffoli terá 90 dias para retornar com o processo ao plenário.

JC Online

Piso Nacional da Enfermagem: Greve Geral é convocada por categoria em defesa do pagamento do piso

O Fórum Nacional da Enfermagem fez uma convocatória nesta sexta-feira (16)para a realização de uma greve geral em defesa da liberação do pagamento do piso salarial da enfermagem.

O anúncio foi feito pela enfermeira e coordenadora do Fórum Nacional da Enfermagem, Líbia Bellusci, por meio de uma publicação em vídeo na página oficial do Fórum no Instagram. Na publicação do Fórum Nacional da Enfermagem, Líbia convida a categoria para a greve geral pelo piso salarial da enfermagem.

 “Atenção enfermagem brasileira, hoje é dia 16 de junho, o Fórum Nacional da Enfermagem, junto com as suas entidades se reuniram, mediante a todos os últimos acontecimentos, junto ao STF (Supremo Tribunal Federal), junto ao Ministério da Saúde, e a definição foi unânime, é greve geral da enfermagem”, diz Líbia em seu anúncio. “Nós precisamos do piso salarial digno”, continua a coordenadora do Fórum.

Ainda não há uma data definida para ocorrer a greve geral do piso salarial da enfermagem. Isso porque, de acordo com informações presentes no vídeo, os sindicatos da categoria devem se reunir em assembleias para votar quais localidades poderão aderir a greve. As votações devem ocorrer nesta segunda-feira (19).

JC Online

Greve dos profissionais da enfermagem começa nesta sexta-feira em Pernambuco

(Foto: Ilustração)

Os profissionais de enfermagem de Pernambuco vão entrar em greve por tempo indeterminado a partir desta sexta-feira (10), para tentar forçar o Governo Federal a pagar o piso salarial nacional da categoria. A mobilização foi aprovada em assembleia.

LEIA TAMBÉM

Enfermeiros de Pernambuco sinalizam greve nesta sexta-feira

“Greve não é brincadeira, é um momento sério, de muita atenção e a gente precisa planejar bem. Não adianta a gente fazer a greve de qualquer jeito e não sair com a conquista e ter prejuízos ao trabalhador“, afirmou a presidente do  Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Pernambuco (SEEPE), Ludmila Outtes.

A categoria realizará um movimento na capital Recife, às 8h de amanhã. Para que os enfermeiros executem a greve, mas sem descumprir a lei, o SEEPE elaborou uma lista de orientações sobre o quantitativo para não deixar os atendimentos interrompidos.

Enfermeiros de Pernambuco sinalizam greve nesta sexta-feira

Os profissionais da enfermagem em Pernambuco vão entrar em greve nesta sexta-feira (10). Há uma mobilização organizada pelo Sindicato dos Enfermeiros de Pernambuco (SEEPE) agendada para às 8h, na capital Recife. A paralisação é por tempo indeterminado.

Nesta quarta-feira (8) o SEEPE realizará uma live nas redes sociais, para detalhar a mobilização. A categoria cobra o pagamento do novo piso salarial, aprovado pelo Senado e barrado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ainda na gestão de Jair Bolsonaro (PL).

LEIA MAIS

Aeronautas encerram greve


O movimento grevista dos aeronautas do Brasil chegou ao fim na tarde do domingo de Natal (25). Após votação, a categoria aceitou a nova proposta coletiva e, por volta do meio dia de ontem, acabou a greve. A paralisação envolvia pilotos e comissários de voos.

Eles estavam em greve desde a última segunda-feira (19), afetando o movimento em diversos aeroportos do país, como Fortaleza (CE), São Paulo (SP) e Brasília (DF). A greve havia sido paralisada na manhã de sábado (24), para discussão da proposta.

Cerca de 70% dos pilotos foram favoráveis ao valor proposto pelas empresas, que prevê reajuste de 6,97% nos salários fixos e variáveis, bem como definição do horário de início das folgas e indenização por descumprimento por parte das empresas.

Aeronautas suspendem greve até domingo de Natal


A greve dos aeronautas do Brasil está suspensa até o domingo de Natal (25). Em nota, a assessoria do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) informou que, no final da noite de sexta-feira (23), a categoria optou por essa pausa, enquanto aguardam a votação de uma proposta apresentada pelas empresas.

A suspensão da greve começou a valer às 6h de hoje (24) e segue até às 12h de amanhã. O resultado da votação da categoria será divulgado às 12h30 do Natal.

Os aeronautas estão em greve desde a segunda-feira (19). O movimento grevista afeta, principalmente, a movimentação no aeroportos de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Campinas (SP), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Belo Horizonte (MG) e Fortaleza (CE).

Servidores do Censo 2022 planejam greve em todo o Brasil, em Petrolina eles reclamam atraso de pagamentos

Trabalhadores do Censo 2022 de diferentes estados estão planejando uma greve geral na coleta de dados, devido às condições precárias de trabalho. Em um grupo de Whatsapp com mais de 250 servidores são diárias as reclamações.
Entre os relatos estão a obrigação de se deslocar em áreas perigosas ou de difícil acesso; ameaças e agressões e físicas e verbais sofridas durante o serviço; falta de assistência da supervisão; desligamentos de recenseadores sem justificativa; ausência de ajuda de custo, além de divergências de informações prestadas durante o treinamento e a prática.
Os trabalhadores cobram um posicionamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que até o momento vem tratando as reclamações como casos isolados.
Além das críticas às condições de trabalho, os recenseadores reclamam dos pagamentos, que são feitos por produtividade. Logo, quando não encontram as pessoas em casa, não recebem. “A gente só recebe se 95% dos questionários forem preenchidos, com apenas 5% de recusas e ausências. E estamos tendo muitos problemas, desde o treinamento até agora”, contou um servidor de Goiânia.
Muitos já desistiram do cargo, outros planejam o desligamento, mas temem os termos contratuais. “Todo mundo que entrou no cargo, que é temporário, não pode prestar outro concurso público por dois anos”, lamentou um recenseador da Bahia.
Em Petrolina, uma leitora do Blog entrou em contato com nossa redação para reclamar o atraso no pagamento da ajuda de custos e também do treinamento que até agora não quitado.
“Quero fazer uma reclamação aqui pro IBGE, sobre eles não estarem pagando a ajuda de custos dos recenseadores e também do treinamento que ainda não pagaram”, disse o recenseador que não quis se identificar.

Greve dos peritos do INSS chega ao fim; atendimento será retomado já na segunda-feira

Atendimento ao público será retomado já nesta segunda-feira, 23 de maio (Foto: Internet)

Os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) anunciaram o fim da greve que suspendeu por 52 dias o atendimento ao público. A decisão foi anunciada na sexta-feira (20) e os serviços serão retomados já nesta segunda-feira (23).

LEIA TAMBÉM

Advogada previdenciarista alerta para pente fino do INSS

A paralisação fez com que a fila de espera para perícias médicas passasse de um milhão. Os servidores cobravam limitação no número de atendimentos por dia (12 ao todo) e preenchimento da agenda de forma contínua e de maneira igualitária entre os turnos.

“No atual contexto, foi uma vitória muito grande. Voltamos a ser respeitados e não só isso. O ministério voltou a estar alinhado com a associação depois de um inverno de quase dois anos”, disse Francisco Eduardo Cardoso Alves, vice-presidente da Associação Nacional dos Médicos Peritos (ANMP).

Justiça determina bloqueio de bens do Sinpol-PE por conta da greve da categoria

A Justiça de Pernambuco determinou bloqueio das contas do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), por conta do movimento grevista da categoria. A decisão do desembargador Cândido Saraiva veio na quinta-feira (17) e leva em conta o “descumprimento, por parte do Sinpol, de determinação anterior para que o Sindicato e seus filiados se abstivessem de realizar paralisação das atividades da Polícia Civil de Pernambuco, sob qualquer forma, modalidade ou denominação”.

O bloqueio é no valor de R$ 600 mil nas contas do Sinpol. A entidade que defende os interesses dos policiais civis do Estado se manifestou e classificou a decisão do Tribunal de Justiça (TJPE) como “injusta e ilegal”.

Para o Sindicato, trata-se de “uma decisão injusta e ilegal, e jamais vista na justiça de Pernambuco. Não há porque o presidente ser responsabilizado por uma atividade sindical, quando o mesmo estava atuando por uma pessoa jurídica, em defesa de uma instituição que representa toda uma categoria”.

Greve dos Policiais Civis continua e adesão é de 90% em todo Estado, afirma sindicato

Os Policiais Civis de Pernambuco deliberam nesta segunda-feira (14), em assembleia, por Greve, após rejeitarem por unanimidade a proposta de 20% oferecida pelo Governo do Estado

Desde a noite de ontem, todas as atividades da Polícia Civil do Litoral ao Sertão estão paralisadas, sem previsão de retorno.

Os Policiais Civis de Pernambuco estão sem aumento desde 2019 reajustado pela inflação, ou seja, quatro anos sem aumento real.

“O Estado tem oferecido um aumento de 20%, e com o pagamento só para julho, vale lembrar que o que nos oferecem não cobre nem a inflação dos últimos três anos, o que dirá a inflação que vem agora de 2022 que já tem uma projeção de 6% a 7%. O que nós pedimos é o que seja igual ao que foi dado aos professores, 35%. Após 7 meses tentando negociar, dialogar e buscar uma saída que a categoria se sinta valorizada, chegamos ao nosso limite. Quem nos empurrou para essa greve foi o Governo do Estado”, ressaltou Rafael Cavalcanti.

LEIA MAIS
123